Skip to content

Sem palavras 

4 de agosto de 2017

Sempre fui apaixonada pelas palavras. Crush dos brabos, daqueles que a gente jura que vai ser para sempre. Me apaixonei tanto pelas palavras dos outros — os livros — que ousei dar voz às minhas por meio das mal traçadas linhas deste blog.

Escrevi loucamente por um bom tempo. Era uma terapia, um hobby, um exercício — tudo ao mesmo tempo agora. Tinha tanto para contar, tanto para dividir. Gostava de pensar nos meus textos como uma espécie de crônica da vida real: eu escrevia sobre o que eu via, vivia, sentia, sonhava. Um amigo definia meu estilo como prosa poética, e de alguma maneira me reconhecia nessa definição. Parecia um bom jeito de contar as minhas histórias: direto e reto, mas com uma pitada de delicadeza.
Escrever já era um prazer em si, potencializado pela troca com os “leitores”. Me emocionava quando alguém me contava que seguia o blog, que compartilhava de algum sentimento, que tinha rido de alguma história. Pode soar arrogante — e talvez seja mesmo —, mas me sentia um pouco como os autores dos livros que eu tanto amava. Era bom saber que as minhas palavras encontravam abrigo e ressonância em outros corações.

De repente, a vontade — ou seria a coragem? — de escrever sumiu. Fiquei sem palavras. O barulho interno era tão alto que não conseguia colocar aqueles sentimentos no papel. Não conseguia passar a limpo. Depois de algumas tentativas frustradas, desisti. O blog ficou lá, com muitas das pretendidas 365 páginas ainda em branco.

 

Não é que a paixão pelas palavras tenha acabado. Apenas “demos um tempo” na relação. O problema não eram elas, era eu. De vez em quando, batia saudade, mas, teimosa que sou, não dava o braço a torcer. Como vou escrever sobre tudo isso que está acontecendo, eu pensava? Não dá, não sei lidar, melhor esperar a vontade passar.

 

Bem, a vontade não passou. Novos amigos leram velhos textos, e recebi de volta uma energia tão boa que acabou reavivando as chamas da paixão. De verdade, ainda não sei como vou contar as novas histórias, mas sinto que preciso, e tenho certeza de que quero.
Então, cá estou eu mandando um “oi, sumido” para o meu blog. A próxima mensagem vai na linha do “e aí, o que tem feito de bom?”.
 

Anúncios

From → Proseando

One Comment
  1. Beatriz Diedrichs permalink

    Vá em frente. Fico contente com seu retorno!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: