Skip to content

O garoto mais popular do colégio

27 de julho de 2013

Tive meu primeiro namorado aos 14 anos, quando descobri que o menino pelo qual eu suspirava fazia tempo retribuía meus sentimentos. Um namorico inocente, que poderia ter tido final feliz, mas só teve final mesmo, porque tinha uma pedra no meio do caminho.

Acontece que, logo que eu comecei a namorar, o garoto mais popular do colégio (que, até então, nem sabia que eu existia) começou a me dar bola. Tipo, muita bola. O moço tinha fila de espera, sem exagero, e estava me dando muita condição. No coMeu ego, ligeiro e bobo que só, assumiu o comando, e o pobre namorado (por quem até pouco tempo eu era doidinha) virou notícia de ontem.

Terminei o namoro e fiquei com o tal garoto popular. Achei o máximo, lógico. E ele passou para a próxima da fila, lógico. Fiquei #chatiada no começo, lógico. Chorei muito ouvindo músicas românticas, aquele dramaaaa. Mas a juventude é uma benção e logo minha fila andou também. Algum tempo depois, encontrei o ser popular em uma festa, não resisti ao charme da pessoa e ficamos de novo. Engraçado, não foi bom. O encanto tinha acabado, porque tudo é infinito enquanto dura.

Outro garoto popular do mesmo colégio (vai ser lindo assim lá em casa, pelamor) me fez torcer pelo Coritiba. Eu não tinha time nenhum no Paraná e ele era o fanático pelo time. Aí, quando ele me perguntou para quem eu torcia, não tive dúvidas e menti descaradamente. Não me orgulho da mentira, mas bem que valeu a pena, rs. E torço para o time até hoje (coxaaaaa!).

Quem nunca se rendeu ao charme do garoto mais popular do colégio/ igreja/ bairro/ academia/firma/ praia/turma etc. que atire a primeira pedra. É meio que inevitável, porque eles têm aquele “algo a mais” ao qual é difícil resistir. Geralmente são belos, mas é mais do que isso. Geralmente praticam algum esporte, cantam, tocam algum instrumento ou coisa que o valha, mas não é só isso.

Acho que o ingrediente principal é a atitude: seguros de si, confiantes, charmosos, bons de papo. Eles sabem fazer com que uma mulher se sinta especial, esse é mesmo um dom dos moços. O problema é que, já que é dom, não dá para não usar, e eles distribuem o charme por todos os lados. Exclusividade é meio que incompatível com essa capacidade de encantamento toda.

Mas que esse tipo de história faz um bem danado para a autoestima, ah, isso faz. Só acho que eles deviam vir com algum tipo alerta. Algo como “pegue, mas não se apegue”. Ou ainda, “se ficar, não se apaixone”. 😉😋☺

Anúncios

From → Proseando

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: