Skip to content

Mi Buenos Aires querido

27 de março de 2013

Voltar a Buenos Aires foi como reencontrar um amigo querido. Uma alegria tranquila, sem aquela euforia que tira o sono. Você já sabe do que gosta (e não gosta) e pode “pular” alguns passeios “obrigatórios” em uma primeira visita.

Foi com esse espírito que cheguei a esta terra deliciosa, um verdadeiro banquete para todos os sentidos. De presente, dias de sol e céu azul, não muito quentes, perfeitos para bater perna. A cidade tem ares europeus, mas a personalidade latina, uma mistura que eu acho apaixonante.

Entre os assuntos mais “hot”, está o Papa Francisco (para os argentinos, o favorito era o brasileiro, vejam só), que todos dizem ser simples, bondoso e sensível. Já estão até planejando um city tour especial pelos locais nos quais ele viveu. Política sempre rende conversas acaloradas (o país está mais caro, com inflação alta e dólar paralelo enlouquecido), do mesmo jeito que o futebol, claro. Descobri que os argentinos já não disputam o título de “Rei do Futebol” com o Brasil. O Pelé é o rei, Maradona Deus, e está tudo certo.

Passeando pela cidade, comecemos pelo centro. É lá que está a Casa Rosada, que não é casa, apenas o escritório da presidenta, que chega para trabalhar todos os dias de helicóptero. A Cristina não é muito popular por lá e seu nome é (sem querer querendo) constantemente trocado por Cretina. Ops.

A Praça de Maio continua sendo um local de lamento para as mães que perderam seus filhos para a ditadura. Na Catedral Metropolitana (lindíssima), está o túmulo do herói nacional, San Martin, com direito à troca de guarda (London feelings).

Na região de Palermo, ruas arborizadas, bons restaurantes, e mil e uma lojinhas charmosas. O bairro está dividido em setores: Palermo Soho (região próxima da Plaza Serrano, que agora se chama Plaza Cortazar, mas que todo mundo continua chamando pelo nome antigo, go figure),  Palermo Chico (onde estão as mansões), Palermo Viejo (região mais antiga, onde viveram Jorge Luis Borges e Che Guevara) e Palermo Hollywood (com agitada vida noturna). Quando cansar de explorar, basta escolher um café charmoso e tomar um bom expresso acompanhado de medialunas (eu prefiro as de manteca, mais fofinhas, mas também tem as de grasa, que são mais sequinhas).

Come-se em bem na cidade toda, mas Puerto Madero é parada obrigatória para aproveitar os prazeres da carne. A região lembra muito as Docklands de Londres, e é perfeita para uma caminhada pós comilança (believe me, você vai precisar). É lá que fica a bonita Ponte da Mulher.

ponte

Há opções de restaurantes para todos os gostos e bolsos, mas desta vez eu fui conhecer o Cabana Las Lilas. É um dos mais caros, mas vale cada centavo. Ambiente ótimo, com terraço com vista para o rio, serviço primoroso e comida perfeita! Para começar, a entrada da casa (uma farta seleção de pães, petiscos e patês) praticamente vale por uma refeição. Mas, por favor, não pare por aí e escolha uma das deliciosas carnes do menu. Acompanhamentos devem ser pedidos à parte. A dupla bife de ojo + papas suflê me fez imensamente feliz. Carne no ponto que eu pedi (bem passada) sem cara feia e muito macia. Vinho rose, geladinho. Não pedi sobremesa (até eu tenho meus limites, rs) e fui direto para o café…que veio à mesa com uma deliciosa seleção de pequenos biscoitos e doces. Felicidade em pequenas mordidas. Depois de tudo isso, junto com a conta, eles trazem à mesa duas garrafinhas geladas. Em uma delas, grapa (eu passo!) e, na outra (tcharan!), lemoncello. Me apaixonei tanto que “tive” de voltar.

http://www.laslilas.com/

Museu Malba e sua bela coleção de arte latino-americana que inclui Tarsila do Amaral, Frida Kahlo e Diego Rivera. O lindo teatro Colón, um dos cinco melhores do mundo. A livraria El Ateneu, instalada em um antigo teatro e uma (adivinha?) das mais lindas do mundo. O Gran Café Tortoni e seus 150 anos de charme. Como não amar uma cidade com tantas maravilhas?

Buenos Aires toda tem um ar de Paris, mas na Recoleta isso é ainda mais evidente. A igreja branquinha, o cemitério de arquitetura impressionante, a feirinha de artesanato dos finais de semana, os restaurantes charmosos, os bosques, o centro cultural, o Café La Biela (outro endereço com mais de 100 anos de charme).

http://www.labiela.com/esp/home.php

Para mim, um lugar perfeito para passar horas despreocupadas, apenas aproveitando a vida.

recoleta

 

recoleta começo

No domingo, a feira de antiguidades de San Telmo é imperdível. Uma delícia se perder em meio às barraquinhas que vendem, literalmente, de tudo. Inevitável ficar pensando sobre as histórias e mistérios que aqueles objetos guardam. Também vende-se artesanato, e você pode encontrar lembrancinhas originais por lá.

san telmo

Um dos lugares mais “vivos” da cidade é o Caminito, no bairro de La Boca (é ali que fica o estádio do Boca Juniors, que vale a visita para entender um pouco mais o tamanho da paixão desses torcedores). É aquela rua das casinhas coloridas que a gente vê nos postais. Um bairro formado pelos imigrantes pobres que chegavam à cidade e construíam suas casas com o que tinham à mão, pintando com a tinta que tivesse disponível para conservar um pouco. Foi isso o que gerou aquela sinfonia de cores tão vibrante. Ali você vai encontrar artistas de rua, geralmente acompanhados de seus gatos ou cachorros. Quando cansar de andar, escolha um restaurante com mesas na calçada, sente sem pressa e se delicie com a comida saborosa , o vinho argentino (ou mesmo uma cerveja) e o show de tango, essa dança/duelo absolutamente sedutora. Se quiser dançar também, fique à vontade. Convites não faltarão. 😉

caminito

Falando em tango, a cidade oferece várias opções de shows, para todos os gostos. Há desde os mais simples até os mais hollywoodianos, com direitos a cavalos voando em cena.  Da primeira vez que estive em Buenos Aires, assisti ao show do Café Tortoni, simples e elegante. Dessa vez, fui a uma casa “especializada” no assunto, a Esquina Carlos Gardel.

http://www.esquinacarlosgardel.com.ar/

O lugar é requintado e, antes do show, serve jantar com três pratos. O serviço é ótimo e a comida (vinho incluído) é bem gostosa. Ah, mimo extra: os nomes dos pratos são nomes de músicas do mestre Carlos Gardel. O show é lindo e bem produzido e, felizmente, sem cavalos no palco. Super vale a pena.

tango

O tango é a trilha sonora perfeita para Buenos Aires. As palavras que melhor definem um, também se aplicam ao outro: vibrante, sensual, apaixonante, sedutor. Uma cidade para se dançar, saborear, viver e voltar muitas e muitas vezes.

Anúncios

From → Proseando, Viajando

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: